A idade do lobo

19 de dezembro de 2015

Pessoal,

Os homens também são muito bem-vindos por aqui. E amamos tanto falar sobre a idade dos 40 anos que acho injusto eles ficarem de fora. Tenho lido tantos artigos interessantes na internet e o último que li fala sobre os homens, principalmente depois dos 40. Sua atitudes, pensamentos e etc.

Achei essa relíquia adaptada do Dr. Jaime Kemp que é um norte americano. Ele é proveniente da Califórnia, formou-se no Western Seminary – Portland, Oregon, e na Universidade Biola — Califórnia, onde também recebeu o doutorado em “Ministério da Família”.

O texto se chama a idade do lobo. Vejam:

Após os 40 anos de idade, o homem passa a caminhar pelo desconhecido mundo da meia-idade. É a maior transição enfrentada por ele. Para alguns é o deslocamento de águas plácidas e serenas, para um oceano revolto e agitado. A travessia torna-se turbulenta e difícil.

É quando o homem avalia seus sonhos, alvos e projetos e fica satisfeito ou frustrado; é quando ele passa a questionar tudo, inclusive a vida. Muitos dizem que na faixa dos 40 anos, os homens transformaram-se em “lobos vorazes”, saindo à caça de presas, de amores antigos, que satisfaçam sua auto-afirmação masculina e cobiça. Mas a busca extraconjugal não passa de uma simples aspirina, um alívio temporário a conflitos emocionais mais sérios.

Alguém descreveu a crise da meia-idade do homem como a época em que este se depara com quatro inimigos: o corpo (o passar dos anos começa a pesar), o trabalho (está realizado em relação a ele ou não?), a família (as muitas e diversas pressões que ela lhe impõe), Deus (ele é o culpado de todos os seus problemas). Enfim, quando ele reavalia seu valor pessoal, quando há alvos e sonhos não alcançados; quando a rotina e a monotonia massacram, a aventura ou uma nova forma de realização estão do outro lado da porta de sua casa, convidando-o.

Quando a esposa e os filhos já não dependem tanto dele; quando ele inicia uma batalha para que sua aparência física ainda desperte admiração e desejo do sexo oposto; quando “cai a ficha” de que ele não viverá para sempre – o chão lhe foge dos pés e o homem entra em crise.

foto_idadelobo

Como sobreviver à crise da meia-idade? Algumas dicas práticas seriam: reconhecer as mudanças; cuidar da auto-estima e identidade pessoais; incorporar as mudanças que o enriquecerão positivamente; estar aberto a transformações e possibilidades futuras; construir uma identidade adequada ampliando e diversificando papéis significativos em outras áreas de sua vida e expressar seus sentimentos.

O homem precisa saber que não está sozinho em suas lutas. A expressão dos sentimentos equivale a uma declaração de que se é realmente um ser humano integral. Por mais que se enfatize, nunca será exagerado salientar a importância da amizade fiel, confiável. É muito importante e mais ameno percorrer os altos e baixos da crise da meia-idade na companhia de pessoas de confiança.

A esposa, os filhos e as pessoas que amam verdadeiramente este homem de meia-idade, terão que ter sabedoria suficiente para ajudá-lo a vencer esta difícil etapa de sua vida. A falta de compreensão, a crítica constante, a falta de carinho e dedicação serão como uma fórmula para perdê-lo.

“A sabedoria do homem prudente é discernir o caminho, mas a insensatez dos tolos é enganosa” (Provérbios 14:8).

Adaptado de texto de autoria de
Jaime Kemp

Texto maravilhoso e uma ótima reflexão para o nosso fim de semana que está começando.

Espero que tenham gostado.

Beijos,

Si!

Siga também no Instagram: @simone.mendess

Entre no blog: Clique aqui para #estarbemaos40

Comentários pelo Facebook

Confira Também

Nenhum Comentário

Deixe uma Resposta

*